Quem é você?

04/08/2013 - Congregação em Potosí

"Quem é você?" foi a pergunta dirigida a João Batista em João 1:19-23. Não era uma pergunta simples, e exigia uma resposta elaborada.

Analisando a pergunta, podemos ver alguns elementos intrigantes, que revelam as intenções de quem pergunta.

Primeiramente, eles sabiam quem era João Batista, filho do sacerdote Zacarias, de família tradicional e conhecida no local. Eles não queriam saber apenas seu nome ou que descendência histórica podia ter.
Também não queriam saber de sua atividade no contexto religioso. Viram que batizava e pregava. sabiam o que ele fazia e onde poderiam encontrá-lo. Não importa o exercício de cargos ou funções numa igreja, ou mesmo sua influência num grupo local. Pelo contrário João rejeitou a associação de títulos a seu ministério pessoal. "Não sou."

Aquela pergunta era mais profunda e perspicaz. Os sacerdotes eram fariseus dedicados ao estudo das escrituras. Conheciam muito bem as profecias sobre o messias. Queriam na verdade, saber quem era João Batista em relação a Jesus.

O mundo quer saber quem são os crentes, em relação a Jesus.

Se tomarmos corajosamente para nós essa pergunta, quem somos nós quanto a Jesus, podemos também observar nas respostas de João, orientação sobre o que mostrarmos ao mundo diante de seus questionamentos sobre nossas vidas e nossa igreja.

1 - ele confessou não ser o Messias. Não salvaria ninguém, nem prometeu bênçãos especiais. Nenhuma igreja na terra está autorizada a decretar a salvação ou condenação de ninguém, nem mesmo encaminhar favores divinos. Somente Jesus pode oferecer salvação e remissão de pecados.

2 - ele disse ser a voz - representa o que é perceptível. O que se faz compreender ao transmitir mensagens e idéias. Ser uma voz significa emitir um sinal capaz de interferir no ambiente. E não era uma voz ínfima e tímida, mas clamava. Sem medo ou receios, era facilmente audível. O clamor dever ter volume para se fazer ouvir no deserto espiritual em que vivemos. Sermos a voz que clama no deserto, além de ser um privilégio, exige ousadia e bravura.

3 - Ele endireita os caminhos do Senhor. Todo o seu trabalho tinha como fim, indicar os caminhos que levam a Jesus. A voz profetizada anuncia que Jesus virá e prepara seu encontro com as pessoas.

Todos verão a Cristo, e cabe aos seus servos de todos os tempos, anunciar a verdade de sua vinda. Portanto somos anunciadores da volta de Jesus.

Voltar