A igreja ideal

 30/06/2013 - CB Potosi

 

São comuns discussões em torno de temas como igrejas corretas, bíblicas, históricas, melhores ou piores.
Mas, ao considerarmos apenas que Jesus morreu, ressuscitou e vai voltar, esses temas dão lugar a um único: a igreja ideal.
A igreja que havia na mente de Jesus. O que ele esperava que acontecesse nos cultos, depois que partiu, para preparar nossos lugar.

Em Atos 2:36 em diante temos alguns elementos que devem estar presentes na igreja que aguarda a volta do senhor.
Primeiramente, ela é composta por pessoas em regeneração, que têm suas qualidades facilmente identificadas no texto.

a) Coração compungido - Reconhecimento da necessidade da ação divina para sua salvação  ("Que faremos?"  v 37);

b) Arrependimento - desejo de mudanças e o abandono do velho comportamento pecaminoso;

c) Batismo - Demonstração pública de submissão à igreja e compromisso com uma nova vida;

d) Comunhão com Deus - vida de oração sob o governo do espírito santo ("o dom do Espírito Santo" v 38)

e) Perseverança - num padrão doutrinário bem definido e claro, ("doutrina dos Apóstolos" v42)

f) União - estavam juntos (v44), unânimes, no templo com singeleza de coração e alegres  (v46).

E a partir desse tipo de crentes, temos as demais características da Igreja ideal, no Versículo 47: Uma igreja que glorifica a Deus, tem a simpatia e respeito do mundo e cresce em número e em santidade.

Fazermos uma igreja assim é mesmo muito difícil e talvez nem seja de nossa competência. Mas sermos crentes ideais, parecidos com aqueles, podemos tentar.

Voltar